Time feminino do Norusca revela seu primeiro talento

Bauruense Paola Pereira, 16 anos, destaque do Noroeste no Paulista sub-17, foi para a Ferroviária, time bicampeão nacional, onde buscará ser profissional

A parceria de futebol feminino iniciada neste ano, entre o Noroeste e o projeto já existente entre Semel e FIB, começa a dar resultados e revelou sua primeira atleta. Apesar do time ter sido eliminado na primeira fase do Paulista sub-17, uma das destaques do time, a meia-atacante bauruense Paola Pereira, 16 anos, foi observada pela Ferroviária na competição e passou a integrar o time. Por lá, ela vai ter condições de treinar numa estrutura de futebol feminino que já existe há anos e poderá ter chances de integrar seleção brasileira de base e poder chegar ao profissional, que recentemente conquistou o bicampeonato brasileiro feminino.
O técnico Élton Carvalho, responsável tanto pelo time feminino do Norusca quanto do projeto social entre Semel e FIB, que existe desde 2017 (veja mais abaixo), falou sobre a evolução de quem começou no futsal, em Bauru, e agora está na base do principal time feminino do País.
“Ela sempre batalhou muito, treina demais e é extremamente dedicada no que faz. Sempre teve apoio dos pais para jogar, tendo a mãe viajando com a gente. A Paola tem muito foco naquilo que ela quer. Tem entendimento técnico e tático, sempre liderou o grupo no Paulista, foi a capitã, e é exemplo para as demais meninas do projeto que fazemos em Bauru por meio da Semel e da FIB”, comentou Élton.
O resultado, claro, não vem do dia pra noite. Segundo Élton Carvalho, Paola treinou por dois anos no projeto social Semel/FIB.
“Ela veio de uma competição do futsal, sempre representando Bauru em várias competições, onde na época a base da FIB Futsal era em parceria com o Ressaca. Ela ficou um tempo no futsal e no campo, até que passou de vez só para os gramados. Agora a Paola tem que manter a cabeça boa, a humildade que ela já tem porque vai muito longe no futebol. Tenho certeza que ela vai chegar a uma seleção brasileira um dia”, finaliza o treinador.

EM BUSCA DO SONHO

Nascida em 2003, destra, 1,63m de altura, filha de Sandra e de Pereira, Paola é uma jogadora que demonstrou muita habilidade no ataque. Tem recurso do drible, bom passe e muita velocidade, fatores que chamaram a atenção da Ferroviária. Paola, inclusive, já estreou na segunda fase do Paulista, agora com as cores da Férrinha, e mostrou ter estrela, fazendo um dos gols da vitória diante do São José, por 2 a 0, neste último domingo. Ela revela que o desejo de ser profissional é um sonho no qual ela está em busca de realizar.
“Sempre achei muito legal o futebol, desde pequena. Acompanhava o masculino e, conforme os anos foram se passando, eu queria jogar cada vez mais, fazer gols”, revela.
Seus primeiros chutes foram ainda na escola, no Projeto Atleta do Futuro (PAF), do Sesi, aos 8 anos. Em 2016 começou a jogar futsal e em 2017 passou a jogar campo também, até chegar ao ápice, vestir as cores do Noroeste em competição federada, a primeira do clube, neste ano.
“Meu desempenho nesse ano pelo Noroeste, individualmente, foi muito bom. Ninguém esperava, acho, mas eu consegui mostrar o que eu sei fazer, que é jogar futebol. Claro, graças as minhas companheiras de time. Tenho muito o que melhorar ainda e estou trabalhando isso. Quanto ao time (Noroeste), quem acompanhou sabe o quanto a gente evoluiu da primeira para a última partida. Se o técnico briga com a gente é para o nosso bem. Algumas evoluem mais rápido, outras mais devagar, no seu ritmo, mas nunca faltou dedicação e vontade”, comentou Paola.

INSPIRAÇÃO EM CR7

Paola diz se inspirar muito no Cristiano Ronaldo. “Ele é um atleta fenomenal. E eu aprendo muito com ele, com o esforço. É o primeiro a chegar no treino e o último a sair. E pra mim ele é o melhor do mundo. Tem uma frase dele que eu gosto que é: ‘eu busco ser o melhor no que eu faço’. E no futebol feminino minhas referências são Marta e Cristiane. Elas são batalhadoras. Todos os dias sofrem preconceito, discriminação, mas mesmo assim elas são exemplos dentro e fora de campo”, destaca.

Paola diz se inspirar muito no Cristiano Ronaldo. “Ele é um atleta fenomenal. E eu aprendo muito com ele, com o esforço. É o primeiro a chegar no treino e o último a sair. E pra mim ele é o melhor do mundo. Tem uma frase dele que eu gosto que é: ‘eu busco ser o melhor no que eu faço’. E no futebol feminino minhas referências são Marta e Cristiane. Elas são batalhadoras. Todos os dias sofrem preconceito, discriminação, mas mesmo assim elas são exemplos dentro e fora de campo”, destaca.

NA FERROVIÁRIA

Sobre a Ferroviária, Paola ressalta ser um desafio muito grande. “É difícil deixar pra trás meus amigos, minha cidade de Bauru, passando a morar em Araraquara. Mas a vida é feita de escolhas e eu escolhi isso pra minha. E vou procurar lá o meu espaço e vou realizar meu sonho. Vai ser muito difícil, eu sei, mas eu vou realizar o meu sonho, que é ser jogadora de futebol. Quero chegar numa seleção de base, no profissional, ser atleta reconhecida. É uma área que eu não quero sair mais. E no futuro poder ajudar meninas como eu. Porque uma das coisas que eu mais gosto, além do futebol, é ajudar as pessoas”, finaliza.

DESDE 2017

O futebol feminino do projeto da Semel vem defendendo as cores de Bauru desde 2017, quando teve início o trabalho social, que agora passar a ter time de rendimento, com o Noroeste. De lá pra cá, as meninas conquistaram o tricampeonato consecutivo da Copa da Juventude sub-18, a Copa do Estado em 2018, no sub-17, além do vice-campeonato dos Jogos Regionais de 2017 e um terceiro lugar nos Regionais de 2018. No dificílimo Jogos Abertos o projeto bauruense conquistou o 5.º lugar no ano passado.

Paola na Ferroviária

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *