Zagueiro Jean Pierre fala sobre a A3 e expectativa da Copa Paulista

Zagueiro Jean Pierre fala sobre a A3 e expectativa da Copa Paulista

Defensor noroestino, um dos homens gols do time, fez um balanço do que foi positivo e do que precisa ser melhorada para a próxima temporada

.
Um dos principais jogadores do Noroeste na Série A3 deste ano, onde o Norusca ficou entre os seis primeiros da competição, o zagueiro Jean Pierre, 24 anos, que renovou contrato por mais duas temporadas, fez um balanço honesto do estadual e falou sobre a expectativa para a Copa Paulista.
Jean Pierre foi titular em 19 dos 21 jogos do Alvirrubro no Campeonato Paulista. Ficou de fora do dérby regional contra o MAC, por motivo de suspensão automática de cartões amarelos, e não atuou no confronto decisivo contra o Atibaia, por motivo de morte na família. Muito técnico com a bola nos pés e inteligente com as palavras, Jean Pierre falou sobre o próprio rendimento na Série A3. “Joguei 19 partidas e tive a felicidade de fazer três gols. Fui advertido com quatro cartões amarelos na competição e não sofri nenhuma lesão. Considero que tive um bom rendimento, mas sempre há o que melhorar. Por isso me dedicarei para ser melhor nas próximas competições pelo Noroeste”, avalia.


Entrosamento

Jean Pierre destacou o entrosamento do time no campeonato. “Isso nos deu confiança e assim facilitava o trabalho. O goleiro Ferreira, o zagueiro Marcelinho e eu, por exemplo, estávamos jogando juntos desde a última Copa Paulista. Nosso objetivo era tomar poucos gols, mas, infelizmente, sofremos 20 em todo campeonato. Média de quase um 1 gol por partida. E isso precisa ser melhorado”, conta.


Esquema tático

Jean Pierre falou também sobre a maneira com o que o time jogou, com os dois treinadores. “Com o Tuca Guimarães nós jogávamos na formação 4-3-2-1, a linha de três jogadores tinha um papel  fundamental, na saída de bola e principalmente na marcação. A dificuldade que tivemos nesse modelo de jogo foi no momento de conclusão de jogadas. Chegávamos com poucos jogadores na área. Já com o Alberto Félix nós jogávamos num 4-2-4. A linha de 4 ofensiva dificultava a saída de bola da equipe adversária, e quando atacávamos, tínhamos mais jogadores próximos ao gol, porém, se o time adversário conseguisse penetrar esse setor, ficávamos em desvantagem numérica”, admite.

Setor ofensivo

O zagueiro frisou as dificuldades ofensivas durante a competição. “Houve muitas trocas, devido a lesões e também à não adaptação de alguns jogadores a determinadas funções, mas de forma geral tínhamos ótimos atacantes”, relata.

Fase de “artilheiro”

Questionado sobre sua facilidade de fazer gols e de criar situações de perigo no ataque, Jean destaca que o “faro” de balançar as redes surgiu justamente sob comando do atual técnico, Betão Alcântara. “Os gols começaram quando trabalhei com o Betão em 2015, no Fernandópolis. Lá eu fiz 7 gols. Treinávamos muita bola parada, tomara que aqui no Noroeste essa junção faça sucesso novamente. Posicionamento, impulsão, são essenciais para fazer gol de bola parada, mas eu preciso destacar a importância de se ter um bom cobrador, seja de escanteio ou de faltas. O mérito é 50% dele”, reconhece.

Fatores dentro e fora de casa

Alfredão ou jogos fora de casa. O que foi mais decisivo? Para Jean Pierre, o desempenho jogando  dentro e fora de Bauru foi semelhante. “Jogávamos sempre pra ganhar. A disputa da primeira fase era por pontos corridos e precisávamos somar pontos independente do mando de campo”, conta.

“Foi triste não subir”

Jean Pierre admite ainda a tristeza particular e de todo o elenco, de não terem conquistado o acesso. “O nosso objetivo era de subirmos o Noroeste para a Série A2. E acreditávamos muito que conseguiríamos, por tudo que foi feito por parte da diretoria, da comissão técnica e também dos jogadores. Eu particularmente fiquei triste por não ter alcançado o objetivo, mas tranquilo porque sei que me esforcei para fazer o meu melhor. Teremos outras oportunidades e se Deus quiser o Noroeste retornará a primeira divisão logo”, finaliza.

Preparação nas férias

Natural da cidade de Conceição do Coité (BA), onde dezenas de familiares e amigos acompanham e torcem pelo Noroeste, inclusive o pai João Militão, a mãe Vanderli Freitas e o irmão Miguel, Jean Pierre segue a sua preparação para a Copa Paulista, já em Bauru. A reapresentação e a pré-temporada estão marcadas para o dia 15 de junho, mas o zagueiro faz treinamento diário em uma academia da cidade. Longe de casa, mas com a companhia da esposa Ana Kézia, Jean Pierre acredita que os melhores momentos com a camisa do Noroeste estão por vir.

 

Nota do entrevistador: “Jean Pierre é um dos esportistas mais inteligentes que já entrevistei. Alto nível de estudo, escreve bem como poucos e é extremamente articulado com as palavras, além de saber tudo sobre futebol. É uma satisfação enorme tê-lo aqui conosco no Noroeste. O torcedor precisa abraçá-lo” (Bruno Freitas, assessor de imprensa).

Deixe uma resposta

Fechar Menu