Nutricionistas do Norusca dão dicas de alimentação para quarentena

Departamento do clube explica o que pode comer, o que foi excluído do cardápio dos jogadores e as recomendações valem para atletas de alto rendimento de outras modalidades também

A equipe de nutrição do Noroeste, que também faz parte do sucesso de resultados obtidos pelo time dentro de campo, com trabalho de pré-temporada e durante todos os 11 jogos da primeira fase da Série A3, segue acompanhando as demandas do elenco a distância. O Norusca é o líder isolado do Paulista, de ponta a ponta, com 26 pontos, e é o único garantido no mata-mata. A Federação afirma que o estadual vai voltar, mas não apresenta planejamento de datas e recursos financeiros.
Na ala nutricional, o departamento noroestino é composto pelas profissionais já de carreira, Carol Bernardino e Kátia Bertuzzo, com os alunos em reta final de formação acadêmica Fábio Amano, Julia Borghi e Leonardo Ferasoli. Eles forneceram todo o plano nutricional para os jogadores do clube e compartilham aqui as dicas que podem ser utilizadas para qualquer atleta de alto rendimento que está fazendo manutenção física em casa, de forma adaptada, devido quarentena provocada pela Covid-19.Carol Bernardino, inclusive, trabalha também com o Sesi Vôlei Bauru e a ABDA.  

MODERAÇÃO
Segundo Carol Bernardino, em âmbito nutricional, devido a diminuição do gasto calórico total dos jogadores, a palavra-chave é moderação. “Contamos com o profissionalismo deles que sabem todo o prejuízo de não estabelecer rotina alimentar adequada. O cuidado maior é em relação a ingestão de carboidratos, principal nutriente relacionado a energia de atletas, sendo ele não podendo ser excluído totalmente da dieta. A orientação é diminuir as quantidades e melhorar a qualidade desse nutriente”, comenta.
Ela orienta a dar preferência para ingestão de carboidratos complexos, ricos em fibras, vitaminas e minerais, como alimentos integrais, grãos, tubérculos, frutas e alimentos in natura como legumes e verduras. “Estes possuem nutrientes que auxiliam tanto na composição corporal quanto na manutenção do desempenho físico. Dietas restritas neste momento não é indicado pelo motivo de diminuição da imunidade e aumento da susceptibilidade de infecções de vias aéreas superiores. Em relação aos suplementos, é orientado que mantivessem os suplementos proteicos e vitamínicos com objetivo de diminuir alterações corporais. A cafeína e bicarbonato foram excluídos por esse período”, reforça.

O QUE COMER
Kátia Bertuzzo afirma que o consumo proteico vai além daqueles primeiros minutos do pós-treino. Segundo ela, a grande importância é a ingestão equilibrada e bem distribuída ao longo das demais refeições. Quando os atletas de alto rendimento consumem um valor baixo de proteínas, impedem que o corpo se recupere de maneira adequada após o desgaste do exercício, gerando assim maior risco para aparecimento de lesões.
“Exemplos de proteína de origem animal são: peixes, ovos, carne (vermelha e branca), leite e lacticínios (como queijo e iogurtes). Já alguns exemplos de alimentos de base vegetal são: lentilhas, leguminosas (como feijão), soja, grão de bico, ervilha e nozes”, detalha a nutricionista.

GORDURA
Fábio Amano chama a atenção sobre ter controle mais rígido das quantidades e tipos de gorduras consumidas nesse período de quarentena, devido a menor necessidade de energia do atleta e por esse nutriente fornecer mais calorias do que outros. Segundo ele, diferentemente do que a maioria dos atletas pensam, a gordura é nutriente vital para promoção da saúde e desenvolvimento da capacidade física para todos os tipos de pessoas.
“É muito importante escolher as fontes alimentares e evitando excessos de alimentos fontes de gordura saturada, dando preferência para as gorduras poliinsaturadas e monoinsaturadas (como azeite de oliva, semente de linhaça, amendoins e amêndoas) que irão ajudar na proteção do sistema cardiovascular e reduzir os processos inflamatórios, essenciais para a melhora do desempenho dos atletas a longo prazo”, recomenda.

O QUE NÃO COMER
Julia Borghi complementa que foi orientado aos jogadores que evitem a ingestão de alimentos ultraprocessados, ricos em sal, açúcares e gorduras, dentre eles estão: balas, refrigerantes, macarrão instantâneo, comidas prontas congeladas, bolachas, biscoitos e salgadinhos.
“Eles favorecem o processo inflamatório do nosso corpo, sobrecarregando nosso sistema imunológico e até podendo se tornar fatores de risco para outras doenças”, comenta.

HIDRATAÇÃO
Leonardo Ferasoli recomenda que a água seja utilizada para a hidratação, evitando isotônicos durante a quarentena. “Ela é a melhor opção. Devemos tomar cuidado com o uso excessivo de isotônicos e água de coco para não ter um aumento de ingestão calórica desnecessária. A hidratação também tem papel importante para a manutenção do nosso sistema imunológico, muito importante no momento que vivemos”, finaliza.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima